Escolhendo a profissão

O que levar em consideração na hora de fazer uma escolha (talvez para o resto da vida) sem enlouquecer?

Para muitos é um desafio, um drama que começa lá na adolescência, quando ainda estamos estudando. A família pressiona de um lado, pai e mãe querem que o filho ou a filha sigam por caminhos que eles entendem ser o melhor, e há também o que os amigos entendem por melhor caminho, além de professores e até a mídia que, hora ou outra, menciona “as profissões” do futuro como soluções para um futuro estável.

Escolhendo a Profissão
Indo de encontro às indicações de outras pessoas, pense que hoje não há mais como induzir um jovem a estudar para fazer concursos, por exemplo, uma vez que o mercado mudou. Surgiram novas oportunidades de trabalho, e a Geração Y não se prende mais a comodismos ou opções engessadas que lhe entregam uma falsa estabilidade. Imagine então a Geração Z, que chegará ao mercado logo. Acabou a era dos “dereitos”, do “se encostar”, do trabalhar 30 anos numa mesma empresa. Isso passou, e o importante é ser útil, seja em qual área for. O profissional precisa agregar, estar lá para construir algo em que acredita, melhorando sua própria qualidade de vida e do meio onde vive.

Decidir o que fazer por toda a vida é intimidador para qualquer jovem. Há diversas técnicas para orientar adolescentes a escolher um caminho. Entretanto, são inúmeras as profissões, e as opções aumentaram ainda mais ultimamente, em diversos segmentos. Há hoje até profissão para testar games, os “Game Tester” que, por sinal, paga muito bem. Isso tudo pode embaralhar a cabeça do estudante, dificultando qualquer escolha.

A escolha deve seguir a emoção ou a razão? Não sabemos ao certo. Porém, deve-se focar naquilo que se gosta, em primeiro lugar. Pensar só no retorno financeiro, escolher uma profissão por acreditar que, com ela, ganharemos muito mais dinheiro, é errado e perigoso. Afinal, fazendo isso você pode acabar fazendo algo que não quer fazer por toda a sua vida, mas lembre-se sempre: essa escolha não precisa ser para o resto da vida. Às vezes é preciso mudar o foco, alterar a direção não é o caos, pode ser apenas uma reorganização. Assim, o fardo não parecerá ser tão pesado.

O próprio mercado muda, e amanhã poderão surgir novas oportunidades e profissões. Fazer o que se gosta é imperativo para alcançar sucesso. Não foque no que pode lhe dar mais dinheiro, nem tome por base outras pessoas e elimine profissões que você não gostaria de fazer, esse é um ótimo começo. Após essas análises, a escolha pode lhe parecer mais tranquila, o dinheiro e o lado financeiro serão consequências de uma boa escolha, com base naquilo que gostaria de fazer e no que tem capacidade para fazer.

Pense nisso. A melhor profissão para você nem sempre será aquela que possivelmente lhe pagará mais. Ganhar bem é realizar suas tarefas bem e, fazendo o que se gosta, é muito mais fácil ter sucesso.

Dica: Odesign
Ilustração: Márcio Rampi

 

Deixe uma resposta