Samsung liderando o mercado de Smartphones

Smartphones: Samsung pode ultrapassar vendas da Apple e da Nokia

De acordo com o analista da empresa de pesquisas Strategy Analytics, Neil Mawston, a Samsung ultrapassou a Nokia e, provavelmente, também a Apple nas vendas globais de smartphones no segundo trimestre deste ano. Os resultados devem-se, principalmente, às vendas do Galaxy S II.
Em entrevista à Bloomberg, Mawston estimou que a Samsung comercializou entre 18 a 21 milhões de smartphones nos últimos três meses.

De acordo com dados já divulgados pela Nokia, no mesmo período, a empresa vendeu 16,7 milhões de smartphones. Enquanto a Apple comercializou 20,3 milhões de iPads, o que a coloca em primeiro ou segundo lugar no ranking, dependendo dos números oficiais que serão divulgados pela Samsung.

Na entrevista, Mawston informou que os produtos da linha Galaxy têm obtido excelentes resultados de vendas na maior parte dos países do mundo. “A Samsung tem chances razoáveis de ocupar a liderança neste trimestre se continuar a expandir a linha de produtos em mercados com alto crescimento, como China e Brasil”, acrescentou.

Além disso, os aparelhos da Sansung não bloqueiam aplicativos Flash, ou seja, mais uma derrota da Apple.

Fonte: Olhar Digital UOL

Windows 8 para tablets terá aparência diferente da nova versão para PCs

O presidente da Microsoft, Steve Ballmer, afirmou em janeiro, na abertura do Consumer Electronics Show 2011, que a nova versão do sistema operacional Windows será compatível não apenas com os computadores tradicionais, com arquitetura Intel, mas também com equipamentos mais leves, com processadores ARM e tela sensível ao toque. Mas embora PCs e tablets compartilhem as entranhas do Windows 8, cada tipo de aparelho poderá exibir uma “cara” diferente, mais adaptada ao formato do aparelho.

Segundo fontes ligadas à empresa de Redmond, a decisão da Microsoft de criar uma interface gráfica específica, e não um sistema operacional completamente independente para tablets, foi tomada com base na percepção da empresa de que o principal ativo da companhia é a onipresença do Windows — e do pacote Office — no ambiente corporativo.

“Acreditamos que o usuário vai querer fazer com o tablet tudo o que ele faz em seu computador no escritório”, afirmou, o vice-presidente sênior da divisão de comunicações móveis da Microsoft, Andy Lees, durante evento no Mobile World Congress de Barcelona. Por isso, segundo Lees, a empresa desistiu de simplesmente adaptar o Windows Phone 7, sistema operacional da empresa utilizado em telefones celulares e que será adotado pela Nokia, para a tela maior dos tablets.
A principal vantagem, do ponto de vista do consumidor, é que será possível utilizar, nos tablets, programas desenvolvidos para Windows. Isso não é possível, por exemplo, com o iPad, que não é compatível com aplicativos criados para computadores Mac.

Abordagem diferente

A estratégia adotada pelas maiores concorrentes da Microsoft -- a Apple, com o iPad, e o Google, dono do sistema Android -- é diferente. Na companhia de Steve Jobs, por exemplo, o iPhone até chegou a ser anunciado, em 2007, como um telefone rodando Mac OS X. Mas, quando chegou ao mercado, o que se viu foi um aparelho com sistema que bebia nas mesmas fontes -- ou seja, Unix -- que os computadores da Apple, mas sem compatibilidade com os programas feitos para a plataforma Mac OS X.

O Google também mantém linhas diferentes de desenvolvimento para computadores tradicionais e para tablets e celulares - embora, no caso da gigante das buscas, o jogo tenha se invertido, já que o sistema para PCs, o Chrome OS, é mais novo que o Android.

E, Tablet Xoom, da Motorola, chega ao mercado nesta quinta

motorolatabletxoom

O tablet Xoom, da Motorola, chega nesta quinta-feira ao mercado norte-americano. O aparelho será o primeiro a rodar a versão 3.0 do sistema operacional Android, da Google, chamada de Honeycomb – que é o primeiro Android projetado especificamente para equipamentos prancheta.

O dispositivo é considerado por muitos o primeiro grande adversário para o iPad, da Apple, no mercado de tablets. Conforme a “CNN“, o Xoom custará US$ 600 nas lojas da Verizon para clientes que assinarem um contrato de dois anos com a operadora.

Uma das desvantagens apontadas no Xoom em comparação com o concorrente é o preço, já que o iPad 3G sai por US$ 629 sem necessidade de contrato. O Motorola, sem contrato, custa US$ 800. Uma versão apenas com conexão wi-fi – que reduziria o preço – é prometida pela fabricante, mas sem data especificada.

Xoom vai rodar Flash

Ao contrário do que foi especulado recentemente, o aparelho da Motorola irá rodar Flash - o que não ocorre no iPad. A Adobe informou que uma versão atualizada está disponível para download no aparelho algumas semanas após seu lançamento.

O Xoom poderá armazenar até 32 gigabytes de dados. Outra vantagem com relação ao iPad serão as duas câmeras para chamadas em vídeo.

Prometo que este será o último post sobre tablets, que rodam Flash e que vão ao encontro da evolução e de encontro à Apple…

Continuando… Novo tablet da RIM deve chegar em abril no mercado

O anúncio oficial sobre o lançamento do Playbook ainda não foi feito pela RIM, mas, se confirmado, o tablet deve chegar às lojas dos Estados Unidos entre o final de março e início de abril, ou seja, estaria disponível antes mesmo do TouchPad da HP, anunciado nesta quarta-feira, 9, e com previsão de chegada marcada para “este verão”, algo entre junho e setembro.

Playbook

O Playbook terá tela de 7″, processador com dois núcleos, 1G de memória RAM, Flash 10.1, HTML5, duas câmeras – frontal de 3MP e traseira de 5MP – conectores HDMI e USB, Bluetooth, Wi-Fi e sistema operacional próprio. O tablet deve ser comercializado por US$ 499,99 para o modelo 16G. O valor é o mesmo oferecido pela Apple para o iPad com mesma capacidade, porém, diferentemente dos tablets da Apple é possível navegar em sites Flash, ficando a dica então.

O verdadeiro webdesign

A web anda chata e abusa da mesmice, mas a culpa é de quem?
O que falta mesmo em muitos cases é ousadia!

O embate entre Apple e Adobe sobre o Flash teve presença garantida na grande mídia especializada em tecnologia e nos papos entre geeks, designers e programadores.
Quem vencerá? O Flash perderá força com os novos recursos do HTML5? Todas essas questões e tantas outras foram exaustivamente debatidas.

Para o internauta (cliente do cliente), isso não parece ter qualquer importância. O que ele realmente que saber é quando a web ficará mais interessante. Com exceção de sites de nicho (como os da Odesign), que abusam de interação e criatividade, os portais e páginas mais visitadas da web andam muito parecidas. Mudam as cores, os logos, mas o resto segue um padrão já cansativo ao estilo art fácil.

É como se algumas regras e procedimentos tivessem atingido um consenso estável, quase uma garantia de sucesso. E quando alguma coisa muda, todos os sites mudam juntos. Ontem as abas dominavam a navegação, hoje os grandes menus passam a tomar conta das interfaces. Sim, padrões são importantes, pois oferecem uma sensação de familiaridade que facilita o uso dos sites. Mas isso não deveria ser sinônimo de “mesmice”.

Tudo isso pode ser muito decepcionante para quem achava que a internet iria nos livrar da informação padronizada da mídia de massa. Correndo por fora, os sites de jornalismo participativo e os blogs de nicho oferecem análise crítica sobre os fatos contemporâneos. Eles também conseguem colocar tempero nas informações sem sal dos sites da “cabeça” da curva. Pena que a maior parte deles seja desconhecida do grande público.

Mas, não podemos pensar que o Flash é o vilão da história, nem que o HTML5 e que as novas linguagens de programação sejam a redenção. O que precisamos é de mais ousadia, mais criatividade. O resultado dessa velha fórmula será mais prazer e mais conversões.

Mais criatividade. Recomendo uma visita ao nosso portfólio onde fica estampada a criatividade em projetos únicos sem templetes com cara de art fácil.
www.portfolio.odesign.com.br