O poder do bom design na web

Uma imagem vale por mil palavras? E um site, vale por quantas?
Um bom site, vale quanto mais?

o-poder-do-bom-designer

Seu site é sua história?
Ou é apenas mais um, igual a tantos outras a vagar pela imensidão da internet?
Completamente diferente da maioria de nossos concorrentes, criamos presenças on-line, presenças interativas para uma organização captar muito mais a atenção de seus visitantes, agregar um valor incontestável…

O poder de um site totalmente caracterizado é inegável. Se uma imagem vale mais que mil palavras, então um site vale dez vezes mais.

Pense um segundo sobre os diferentes componentes que compõem um site de qualidade e, visitando nosso portfólio, poderá constatar que acreditamos na diversidade de um mundo cada vez mais interativo, propondo soluções únicas em cada projeto.

O Design
Os elementos gráficos de um site são extremamente poderosos. A forma como sua marca é tecida na aparência geral do projeto causa um impacto que pode facilmente superar outros tipos de mídia.

O Conteúdo
Este é o chamado “mil palavras” e por todos os meios, não que seja necessário esse número literalmente. Seu conteúdo escrito ou visual é extremamente importante quando se trata de transmitir sua mensagem, vender um produto e, trazer visitantes. Mil palavras é apenas o começo dele na maioria dos casos. Todo seu conteúdo escrito deve ser cuidadosamente trabalhado e otimizado para atender perfeitamente a mensagem que a empresa ou organização precisa transmitir, seja uma mensagem de vendas orientada ou apenas de natureza informativa e institucional.

As Imagens
As pessoas adoram boas fotos. Uma fotografia cuidadosamente escolhida, exibida no lugar certo dentro de um layout, pode realmente valer muito mais do que o estereótipo de mil palavras.
Boas imagens agarram a atenção e as emoções emanadas destas, influenciam muito na percepção do projeto num todo. Boas imagens qualificam o projeto, dão respaldo.

Os Componentes Interativos
Um implemento bem concebido é simplesmente inestimável. Formas de interatividade ajudam a criar um clima de XX e constroem impressões adicionais, geram espectativa. Sites são perfeitos para a interatividade de maneira que outras mídias em nada podem se comparar.
Abusamos de interatividade, criatividade oferecendo utilidade real e não animações démodé que mais parecem do início da década de 90 quando a web ainda era insipiente.

Os vídeos
Não poderíamos deixar de falar dos vídeos. Quando você pensa no impacto que apenas uma simples foto pode ter, não é difícil ver como um bom vídeo habilmente utilizado pode multiplicar-se em impactos maiores…

Um bom projeto para a web, precisa se impor, chega do “mais do mesmo”, é preciso construir novas tendências, é necessário mudarmos o prisma de que na web tudo é igual, aqui não tem nada de arte fácil, aqui, construímos projetos focados no mercado do cliente e em estudos sérios, aqui, construímos interfaces para a realidade de cada cliente.

Colocando tudo isso junto e em prática com componentes e fórmulas secretas da nossa criação, nossos projetos tornam-se muito mais poderosos do que quaisquer formas de mídias isoladas…

Pense nisso, um bom site, vale muito mais que mil palavras…

.

A internet e a importância dela para sua empresa

O design para a web atingiu hoje uma importância jamais vista, com amplificação do debate filosófico, estético e conceitual sobre os meios e as perspectivas de se pensar, de se gerar conteúdo e interatividade. Uma percepção de propósitos, utilidade e usabilidade cada vez mais difundida com o surgimento de vertentes, que vão desde os evangelistas da padronização com sua objetividade, até os artistas que trabalham com o “caos” navegacional, sem objetivo universalizado, porém, focado em tendências mercadológicas únicas priorizando a marca. O bom de tudo isso é que há mercado para todos.

Hoje, a internet não é mais um meio secundário e é extremamente importante possuir uma identidade forte e eficaz na web, com conceito e capaz de suprir as necessidades de informação que o internauta deseja.

É PRECISO ESTUDO E PLANEJAMENTO ACIMA DE TUDO

Nadando contra essa maré e remando forte contra o bom design (projeto na sua mais fiel definição), há empresas que priorizam as artes fáceis, projetos sem estudo algum de mercado e que é apresentado ao consumidor final – o cliente do cliente – sites além de feios, sem identidade ou relação com aquilo que o cliente que o contratou gostaria de transmitir ao seu visitante/usuário. Infelizmente esse tipo de profissional causa uma insatisfação monstruosa no mercado impulsionando à desconfiança todos que queiram criar seu site/projeto na web.

Qualidade é um fator básico e fundamental para a sobrevivência de qualquer serviço ou produto no mercado assim como um site. Em muitos casos o barato, com artes fáceis, sem estudo ou planejamento, feito por profissionais não qualificados, sai caro demais, colocando sua empresa na internet passando ao seu público uma identidade distante da esperada com um desenho desagradável e inconveniente.

Antes de criar seu endereço na web, pesquise a história de quem o construirá, avalie seu portfólio e confie acima de tudo que possam estabelecer a comunicação entre sua empresa e seus possíveis clientes. Acima de tudo, soluções…

Há 6 anos…


Poucas agências virtuais têm a capacidade e disposição em atender clientes de segmentos distintos. Talvez seja por isso também que a Odesign conseguiu construir, ao longo dos seus 6 anos de estrada, um diferencial e um conceito único em soluções inteligentes para seus clientes tornando-se referência na construção de projetos em Flash e interatividade à web.

A experiência adquirida por cada um, dentro da estrutura de freelas e equipe interna, foi pré-requisito para uma base mais sólida que possuímos hoje.
Nosso começo foi em uma mini-sala, difícil até para receber clientes e, onde o melhor visitá-los. Nesta caminhada, um dos desafios foi criar a infra-estrutura física que o novo escritório tem, com sala para reunião, laboratório de impressão digital e sala de entretenimentos.
Depois de 6 anos de estrada, o escritório agora é amplo, permitindo o crescimento da equipe que hoje conta com três designers, um programador, um arte-finalista, uma gerente de contas e comercial, mais dois vendedores externos.

Essa evolução deve-se a oferta de serviços nas áreas de design gráfico e webdesign, que permitiu nesse pequeno período à Odesign desenvolver um portfólio consistente, rico e diversificado.


Nossas conquistas, são nossos clientes.

Ao escolher uma agência para desenvolver seu projeto web, avalie seu portfólio, sua pluralidade e como esta oferece seus serviços

A Criação
A Odesign desenvolve seus projetos em etapas criativas e, como cada cliente tem características e necessidades diferentes, os projetos também são encaminhados de maneira distinta, porém, seguem uma lógica de criação dividida em 4 etapas: geração de ideias, layout e identidade visual para o projeto, estudo de tecnologia e programação necessárias, soluções diferenciadas para a web e testes finais e de usabilidade.

A cada início de projeto, procura-se discutir com toda a equipe o processo criativo para gerar ideias ao projeto, alternativas ao desenvolvimento e para que o cliente se reconheça nele, no produto final ou a cada etapa apresentada. Isso por si só cria um processo de contínuo aprendizagem da equipe no desenvolvimento de novas soluções, desafios e dificuldades estabelecidas. A cada projeto, saímos mais capazes de oferecer serviços melhores, evoluindo sempre.

Apostamos, desde o início, no alinhamento entre a prática de design e as possibilidades tecnológicas com novos recursos e muita interatividade à web. E, para o futuro, mais informação, diferenciação e soluções para um mundo cada vez mais diverso.

O valor do design

Muito já se falou no valor do design e do que pode alavancar uma marca, posicioná-la com um trabalho focado e bem elaborado.

Entretanto, definir preços ainda é uma arte
Um dos aspectos mais desafiadores do design comercial é estipular o preço desses serviços. É muito importante estabelecer quantas horas do seu dia são utilizáveis.
Uma história relata muito bem isso. Diz a lenda que Pablo Picasso estava rascunhando em um parque quando uma mulher se aproximou e pediu que fizesse seu retrato. Ela deixou claro que pagaria pelo trabalho. Picasso concordou e, depois de poucos momentos de estudo, usou apenas um traço para capturar a imagem da mulher.

- Está perfeito – maravilhou-se a mulher. – Em pouquíssimo tempo, você conseguiu capturar toda a minha essência com apenas um traço. Muito obrigada. Quanto lhe devo?

- Cinco mil dólares – respondeu o artista.
- O quê? Mas isso só lhe tomou cinco minutos!
- Madame, isso levou minha vida inteira.

A experiência que o artista conquistou com duras horas de aprendizado e estudo, muitas vezes não são levadas em consideração por alguns clientes, mas, estes clientes não devem ser clientes, devem ficar fora da lista de parceiros.

Um dos maiores problemas de se trabalhar por projetos é que você é pago pelo seu tempo. A experiência dita o preço da hora, mas não considera a velocidade da tarefa. Então, se me pedem para projetar um site e eu faço algo bem rápido que atende às necessidades do cliente e seus usuários, não posso cobrar pelo tempo que demorei na tarefa, e sim pela experiência que conquistei ao longo dos anos e que permitiu que eu fizesse aquilo em tão pouco tempo. É uma diferença sutil e importante, que você deve ter sempre em mente.

Relação com os clientes
Apesar de o “cliente ter sempre razão”, não se esqueça de quem é o designer. O cliente o contratou porque acredita que você sabe e conhece o que faz. É provável que o tenham escolhido depois de olhado seus trabalhos anteriores e reputação, então devem respeitar seus conhecimentos como o profissional que é. Infelizmente, esse não é sempre o caso. O cliente pode esperar que o designer realize quaisquer pedidos enviados na hora. Assim, você fica tentado a ceder para não causar problemas. Mas cudiado! Resista à tentação e defenda seu ponto de vista. O cliente deve respeitar suas opiniões, pois design não é uma via de mão única, é uma conversa também.

Reconhecendo maus clientes
Nem todo negócio é bom negócio

Há muito cliente ruim por aí, mas como fazer a distinção entre eles? Quando tento decidir se vale a pena fechar um negócio, esses fatores são levados em consideração:

1. Pedidos exagerados;
2. Quando mal conseguem explicar nem o que seu negócio faz;
3. A mais importante. Não aceitam suas soluções. Ou pior: eles oferecem a solução de design;
4. O cliente quer que você faça “algo pequeno primeiro”. Pode apostar que não há nada de grande;
5. Sempre pedir descontos. Se eles sempre, sempre pedem para que você reduza seu preço, eles podem não dar valor ao seu trabalho. Se o cliente quer mais barato, reduza também o que o projeto oferece;
6. Prazo: É para ontem? Sim? Então o cliente deseja pagar um adicional de emergência?

“A melhor forma de conseguir bons trabalhos é produzir bons trabalhos. Quanto mais trabalhos bons você fizer, mais gente vai querer trabalhar com você”
Ian Coyle (iancoyle.com)

Os trabalhos da Odesign estão em nosso portfólio.

Hospedagem

Hospedagem de Sites (Alojamento em Português europeu) é um serviço que possibilita a pessoas ou empresas com sistemas online a guardar informações, imagens, vídeo, ou qualquer conteúdo acessível por Web.
Provedores de hospedagem de sites tipicamente são empresas que fornecem um espaço em seus servidores e conexão à internet a estes dados aos seus clientes.

Pré-requisitos:
Para acessar um site geralmente é necessário um domínio, alguns provedores disponibilizam um subdomínio gratuitamente, mas o ideal é registrar um domínio, o que pode ser feito no http://registro.br para domínios com final .br ou em empresas específicas que registram domínios internacionais. Alguns provedores oferecem também o serviço de registro de domínios.

Limites:
Os provedores de hospedagem delimitam três recursos principais para cada conta de hospedagem disponibilizada.
Um detalhe importante é que o limite de transferência e armazenamento é medido em Megabyte MB ou em Gigabyte GB, sendo que em alguns provedores a quantia em GB é igual a 1000 MB e não a 1024, deve-se, portanto, verificar o contrato para saber qual a taxa correta.

Transferência mensal:
A transferência mensal é medida em MB ou em GB. A transferência mede tanto a quantidade de dados transferido do servidor para os visitantes do site quanto dos visitantes para o servidor de hospedagem. Muitos provedores de hospedagem também contam na taxa de transferência o tráfego de email (SMTP, POP3), FTP, entre outros protocolos. Deve-se observar o contrato para verificar o que é contado em cada caso.
Essa taxa é reiniciada no primeiro segundo de cada mês e geralmente os painéis de controle permitem obter um extrato de quanto está sendo utilizado para o mês corrente.

Armazenamento em disco:
O armazenamento em disco é a quantidade de dados medida em MB que se pode armazenar no disco rígido do servidor. Alguns provedores contam todos os dados armazenados na área de FTP apenas, outros também contam o limite de banco de dados, emails e até logs de acesso. A resposta geralmente está no contrato do serviço.

Quantidade de domínios:
O padrão de mercado é um domínio por conta de hospedagem, no entanto, alguns provedores disponibilizam mais de um domínio por conta. A disponibilização de mais de um domínio não significa que poderá ter dois ou mais sites em uma só conta, mas que dois ou mais domínios poderão responder para um mesmo site, um mesmo conteúdo.

Publicação:
Quem contrata a hospedagem de sites deve enviar seu site ao servidor. O envio do site se dá tipicamente através de FTP ou por uma interface web através da qual pode-se efetuar o upload de arquivos tal qual inserir anexos num webmail.

Linguagem de programação:
Apesar de o padrão de um site na web ser a linguagem HTML, existem outras linguagens que podem pré-processar o HTML e modificá-lo de forma dinâmica.
As linguagens de programação mais comuns para web são PHP, ASP, plataforma ASP.NET, Perl, JSP, Ruby/Ruby on Rails, Python. Através destas linguagens o conteúdo do site pode ser armazenado em um banco de dados.

Bancos de dados:
Os banco de dados mais comuns para web são mySQL, Access, PostgreSQL, SQL Server e Firebird.
Os bancos de dados devem ser acessados através de uma linguagem de programação.

Serviço de email:
O serviço de email é composto por um protocolo de recebimento e envio de emails entre servidores de email, o protocolo SMTP e um protocolo de download de emails para os usuários, tal qual o POP3 e IMAP. A maioria dos provedores de hospedagem oferecem também uma página para leitura de emails através do navegador, ou seja, um Webmail.
As caixas postais utilizam o formato email@seudominio.com.br, sendo que cada provedor de hospedagem oferece planos com uma quantia de caixas postais, alguns com um número ilimitado de emails.
Alguns provedores delimitam um espaço em disco para cada caixa postal, outros não limitam esse espaço, mas esse espaço conta na quantia global que se pode utilizar de espaço em disco.

Comparando Hospedagem no Brasil e no Exterior:
Provedores de hospedagem brasileiros de menor porte possuem servidores locados em datacenters no exterior. Estes conseguem oferecer um preço menor que os provedores brasileiros que possuem servidores em datacenters brasileiros;
Por outro lado, as empresas de hospedagem no exterior podem apresentar vantagens na questão de redundância abaixo apontada, mas, o consumidor deve ficar atendo, pois os maiores provedores nacionais também se preocupam com redundância.
Grandes empresas mantêm diversos níveis de redundância, tanto de conectividade, como de processamento, como de energização;
por redundância de conectividade, entenda-se que essas empresas mantêm contratos com grandes provedores de circuitos de dados, o que garante que na falha (ou mesmo congestionamento) de um, os outros suprem a banda necessária – no Brasil, há um oligopólio de fornecedores de circuitos, o que dificulta redundância.
Redundância de processamento significa que as empresas têm muitos servidores e muitas peças de reposição prontas para utilização, no evento (que certamente ocorrerá) de uma falha de hardware que requeira substituição – no Brasil, servidores e peças custam mais caro, o que faz com que alguns provedores não mantenham estoques de reposição.
Por redundância de energia, entenda-se que grandes datacenters mantêm diversos geradores de energia, que entram em ação automaticamente em caso de falha ou oscilação no fornecimento de energia – no Brasil, o relativo menor retorno do ramo de hospedagem faz que as empresas invistam menos nos custosos geradores de energia sobressalentes.
Além disso, grandes empresas (comuns no exterior, raras no Brasil) podem se dar ao luxo de manter redundância de pessoal.
Em diversas grandes empresas, é possível encontrar técnicos de diversos níveis (do simples operacional ao mais técnico) 24 horas por dia, 7 dias por semana. No Brasil, essa disponibilidade é mais rara, por causa do alto custo trabalhista desse pessoal (principalmente o mais capacitado), o que faz com que os problemas levem mais tempo para serem resolvidos.

Desvantagem de provedores no Exterior:
maior latência de conexão: no ping na maioria dos casos é superior a 200ms, o que pode até ser pouco perceptível. No entanto, em aplicações que realizam comandos em série como o FTP a velocidade de transferência pode se tornar muito perceptível.
atendimento em idioma estrangeiro: se o cliente contratar serviço de provedor localizado no exterior e não de apenas de uma empresa nacional que possui servidores no exterior, o atendimento será provavelmente em inglês.

Desvantagem de provedores nacionais:
Custo alto: A mão de obra especializada na área de Administração de Sistemas é muito mais econômica nos Estados Unidos por terem muitos profissionais formados e por trabalharem com quantidade. O equipamento, o espaço em disco em GB e o valor da banda por GB são também bem mais econômicos nos Estados Unidos onde, mais uma vez eles trabalham com quantidade, menos impostos e têm melhores preços.

Identificando um provedor no Exterior:
O método aqui descrito irá verificar se o site do provedor de hospedagem está hospedado no Brasil. Se estiver, isso não significa necessariamente que seu site também estará, pois o provedor pode manter seu site aqui no Brasil e seus clientes no exterior.
Pegue o domínio de seu provedor. Efetue um ping no domínio de seu provedor.
No Windows basta acessar o Prompt de comando e digitar:
ping exemplo.com.br
Aparecerá o IP do domínio entre parênteses.
Acesse https://registro.br/cgi-bin/whois e digite o IP
Aparecendo a mensagem “Não alocado para o Brasil” é porque o site está hospedado no exterior, se aparecer os dados do provedor então é porque o site está hospedado no Brasil.

Apoio: Locaweb
Odesign | Soluções Para Um Mundo Diverso