O usuário é o principal foco, não o Google

Em um artigo publicado por Gianluca Fiorele, SEO da empresa lloveSEO, ele admite que sua maior dor de cabeça é o Google, não porque ele decidiu não receber informações sobre os sites, mas entre várias justificativas, pela mudança que o Google está fazendo em suas ferramentas e nos mecanismos de buscas, ferramentas estas que já estamos acostumados.


A verdadeira pergunta que está causando minha dor de cabeça é: o que o Google realmente quer com todas essas mudanças? Vou começar citando a definição de SEO que o Google dá em seus guias:

Search engine optimization (otimização de mecanismos de buscas, em português) significa colocar o melhor do seu site à frente, quando se trata de visibilidade em mecanismos de busca, mas seus consumidores finais são seus usuários, não os mecanismos em si.


É isso, seus consumidores finais são seus usuários, não os mecanismos de buscas do Google. Deixando de ter, cada vez mais, conteúdo atrativo, perde-se por um lado o consumidor que é atraído pela marca, pela identidade do produto (aquele que conhece a marca, usa e respira a marca) e tentando atrair visitantes desconhecidos oferecendo muitas vezes um conteúdo mais duro, fora do contexto geral da marca.

As redes sociais devem fazer isso, trazer para o site (institucional) os novos visitantes. Pelo menos esse era o caminho.


O usuário é o rei
O SEO técnico ainda importa, mas isso não significa que ele seja sinônimo de SEO. As palavras “usuário” e “útil” têm a mesma raiz: uso. E um usuário acha um site útil quando ele oferece as respostas que ele precisa, e se seu uso é fácil e rápido.


É interessante parar para refletir e prestar atenção aonde estamos indo. Precisamos oferecer na web, conteúdos que vão ao encontro da identidade e filosofia da empresa e não como o Google ou quaisquer empresas querem. Na verdade, o Google não mostra o que queremos, ele mostra o que ele quer mostrar, do contrário, nunca exisitiram os anúncios pagos e, com o Google+ muitas intromissões acontecerão ainda em suas buscas.

As mídias sociais ajudando a escalada no Google

Links são as veias da web. Cerca de 70% do algoritmo do Google é baseado em links e, quando mais on-topic seus links forem, melhor. Sendo assim, você precisa de uma estratégia muito bem focada para aparecer nas buscas – ignorar a recente revolução das mídias sociais fica por sua conta e risco.

“Em essência, o que o Google faz quando mede links é buscar por votos. Quando uma pessoa faz um link para um site, está dizendo que gosta dele e vota nele”, explica o engenheiro de SEO Jaamit Durrani. “Quanto mais influente for aquela pessoa, mais forte é o link. Antes você tentava fazer com que um pequeno grupo de donos de sites fizessem links para você, mas agora temos uma enorme quantidade de conteúdo gerado por usuários, blogs e perfis. Crie relações com eles, ofereça um bom conteúdo para ser linkado e terá uma rede inteira de pessoas dentro de um nicho, que você pode se conectar.”

google-midias-sociais


O jogo é lento
Você não entra em um bar no meio do nada esperando conhecer todos no local: é preciso se apresentar a um de cada vez e talvez voltar mais umas duas noites. Não é instantâneo.
É preciso interagir nas mídias sociais, ser frequente, oferecer conteúdo no MySpace, no Twitter e até mesmo no Orkut…
Há também supostos mágicos que não conhecem o funcionamento do Google e vendem o milagre de colocá-lo à frente sem saber que o mecanismo é engenhoso e muito criterioso, ou seja, burlar o Google pode ser um tiro fatal no próprio pé.
Uma equipe especializada no assunto pode tomar conta de um blog e uma outra equipe, de mídias sociais, agregando todos os conteúdos e linkando com o site principal tornando-o mensurável.
Enfim, o conhecimento na área é imprescindível.

Os balões da Sony
Um exemplo recente de trabalho focado em mídias sociais para alavancar acessos ao site principal foi o anúncio da Sony Bravia feito com balões em São Francisco, nos Estados Unidos. Foi um projeto gigante que atraiu muita atenção. 250 mil balões brilhantes e coloridos foram soltos em uma rua da cidade. Enquanto a empresa filmava tudo, pessoas na rua com celulares também gravavam o acontecimento. Contudo, em vez de a Sony tentar proibir a veiculação das imagens não-oficiais, como fez o pessoal da Scrabble no Facebook, ela procurou usar as gravações a seu favor. Depois do evento, ofereceu uma mini TV Bravia aos blogueiros que escreveram sobre o ataque dos balões coloridos e os levou para assistir às filmagens seguintes da campanha.
Antes desse comercial, a Samsung aparecia em primeiro no ranking de buscas mas, como resultado de adotar as mídias sociais para seu benefício, a Sony retomou o topo, já que muitas pessoas geraram links para o seu site. Links...

Reportagem original de Adam Stafford da agência Fresh Egg

E, em 2012…

Enviamos para nossos especiais clientes, parceiros e amigos, uma singela lembrança, uma embalagem com itens que sugestionam ou desejam um 2012 diferente, onde cada item carrega consigo um significado especial.

final-2011

Dentro da embalagem vai um pingente de trevo de quatro folhas para fixarmos nossa fé em algo que fuja um pouco da racionalidade do mundo atual, às vezes é preciso acreditar.
Desejando que no próximo ano, haja muita criatividade, idéias e inovação, a vela simboliza essa ascensão à luz… E porque é imprescindível buscar o autoconhecimento, enviamos o espelho para poder ajudá-lo nessa busca.
Às vezes, é preciso uma pausa nesses dias tão corridos e, nada melhor que um bom livro e um marca-página, para poder parar e refletir não só na leitura como na vida. Há também, um envelope, para que em 2012, você possa reatar com alguém, escrever para uma pessoa distante ou apenas comunicar sua alegria a quem você quer bem.
Em 2012, também esperamos que perceba novas sensações, como ao degustar o delicioso chocolate que fizemos especialmente pra você, que assim comesse o ano experimentando novos sabores.

Por fim, nosso cartão e uma caneta da Odesign, para lembrar que como neste ano, sejamos em 2012 a solução em comunicação, design e interatividade para seu mundo.

Feliz Natal,
Um Novo Amanhã
E um 2012 repleto de conquistas
e oportunidades, diversas e únicas!

Como o Google exibirá seu anúncio

O Google anunciou que está mudando seu sistema de anúncios publicitários, dando mais “transparência e escolha” ao usuário. Agora, qualquer pessoa pode saber como e por que está recebendo uma propaganda específica.

Uma aba, localizada ao lado dos anúncios oferecidos no Gmail e no buscador da empresa, chamada “Por que esse anúncio?” aparecerá para os usuários nas próximas semanas. Ela dará a oportunidade de saber por que aquele anúncio específico foi exibido e como ele foi personalizado e direcionado para você.

Com isso, a empresa espera oferecer melhores anúncios ao usuário – quer dizer, anúncios melhor direcionados, baseados em sua geolocalização, língua de seu país e até de pesquisas recentes.

A opção Ads Preferences Manager (Gerenciador de Preferência de Anúncios, em português) também será habilitada em breve. Com ela, você poderá escolher quais anúncios quer receber, podendo voltar atrás e desfazer a escolha a hora que quiser.

Com isso, ao que tudo indica, o usuário terá mais controle sobre o que vê. Nas palavras da empresa, “é importante ter escolha sobre os tipos de anúncios que são mostrados para você. Se você desejar não ver anúncios personalizados, a escolha é sua”.

Com aplicativos nacionais, tablet Playbook BlackBerry chega ao Brasil por R$ 1.299

A RIM, fabricante dos smartphones BlackBerry, apresentou nesta quarta-feira (19) o tablet Playbook para o mercado brasileiro. Com preço minimo sugerido de R$ 1.299 para o modelo de 16GB, o dispositivo traz aplicativos exclusivos criados pelo mercado nacional. O aparelho já está disponível para pré-venda em lojas de varejo.

Um dos destaques do tablet é a integração com os smartphones BlackBerry. Parte do conteúdo desenvolvido no smartphone pode ser sincronizado automaticamente no tablet por meio de uma conexão criptografada via Bluetooth. O sistema operacional é proprietário da RIM, mas o tablet também é capaz de executar aplicativos Android utilizando um emulador.

A RIM aposta em aplicativos produzidos no Brasil para ganhar representatividade no mercado. O aplicativo Placar UOL, por exemplo, foi desenvolvido exclusivamente para o tablet e traz as principais noticias sobre futebol, bem como resultados e classificações dos princiais campeonatos do mundo. Outro destaque são os aplicativos do banco Bradesco, da revista Exame, Facebook, jornal “O Estado de São Paulo” e revista “Caras”.

Todos os aplicativos disponíveis na loja de aplicativos da BlackBerry no mundo estarão disponíveis para os usuários brasileiros — não ocorre distinção como há na App Store da Apple, entre contas de fora do país e locais. No entanto, aplicativos feitos apenas para smartphones não funcionarão no tablet da RIM.

O tablet também está disponível em mais duas capacidades de armazenamento: com 32 GB, vendido a R$ 1.599, e com 64 GB, por  R$ 1.949. Segundo a RIM, o preço é promocional de lançamento, já com o desconto de R$ 350.

Características

O tablet Playbook possui tela touch screen de 7 polegadas, pesa cerca de 425 gramas e tem 10 mm de espessura.

Com processador dual core de 1 Gigahertz, o tablet aposta em suporte nativo a tecnologia Flash — indisponível no rival iPad da Apple — além de saída HDMI em Full HD, câmera traseira de 5 megapixels e outra frontral de 3 megapixels para videoconfêrencia.

O aparelho também possui GPS integrado, acelerômetro e sensor de movimento. Apesar de existirem modelos com 3G nos mercados europeu e americano, no Brasil o PlayBook será vendido apenas na versão com Wi-Fi.

A autonomia da bateria é de cerca de 8 horas para navegar pela web em Wi-Fi, assistir vídeos ou escutar música.